III CINE DANÇA - BALÉ COPÉLIA

Balé em três atos


Libreto: Charles Nuitter e Arthur Saint-Léon, baseado na história de E.T.A Hoffman.

Coreografia: Arthur Saint-Léon

Cenários: Cambon, Lavastre e Despléchin

Música: Léo Delibes

Figurinos: Paul Lormier

Estréia mundial: 25 de maio de 1870 no Théatre Imperial de L’Opera de Paris.

Giuseppina Bozacchi interpretou Swanilda e Eugénie Fiocre, Franz.

Coppélia é, provavelmente, o ballet cômico mais conhecido e certamente o mais apresentado, no entanto, é muito mais que uma peça engraçada. Foi uma quebra na tristeza dos ballets românticos da época, Coppélia foi um sucesso imediato com seu humor, brilho e suas vigorosas danças nacionais. Criado quando Paris estava perdendo sua posição como capital da dança do mundo, e com a popularidade do balé estava em decadência, a estréia contou com a presença das principais figuras da sociedade parisiense.
Embora as raízes de Coppélia estivessem no ultrapassado movimento Romântico, esse ballet alcançava além, e criando uma base para o ballet clássico que ainda estava por vir. Coppélia tem os camponeses robustos típicos do ballet Romântico, mas nenhuma criatura etérea, apenas uma terrena boneca mecânica. A coesão artística do trabalho e sua incorporação de danças nacionais, seu virtuosismo técnico e variações, pressagiaram o ballet Clássico que então surgiria.
Apesar do sucesso de Coppélia em sua estréia, apenas 18 apresentações foram feitas inicialmente. O exército prussiano invadiu a França logo depois da estréia, e o sitiamento de Paris impediu as apresentações.
Impressionado com o sucesso do ballet La Source (1866), Émile Perrin, diretor da Ópera de Paris, pediu à Charles Nuitter e Arthur Saint-Léon para que colaborassem novamente. Nuitter, arquivista da Ópera de Paris, trabalhou no libreto de Coppélia com o coreógrafo Saint-Léon. Léo Delibes, o qual também tinha composto parte da música de La Source, foi escolhido para ser o compositor.
Pouco é sabido sobre como os colaboradores trabalharam juntos, mas é provável que Nuitter tenha sugerido a estória da boneca de E.T.A Hoffmann e a idéia tenha rapidamente sido aceita. Coppélia é baseada em Der Sandmann (1815), mas Nuitter manteve-se afastado do lado obscuro da estória original, concentrando-se em uma espécie de comédia que também teve grande sucesso em outro ballet, La Fille Mal Gardée. Na estória original, de Hoffmann, a boneca de fato ganha vida, usando o espírito retirado de Franz, enquanto no ballet Swanilda finge ser a boneca, para salvar Franz do experimento de Dr. Coppélius.
Saint-Léon foi bailarino principal e maitre de ballet do império russo, além de talentoso músico e filho de outro respeitado maitre de ballet. Em seu ballet Le Violon de Diable demonstrou sua habilidade, acompanhando a ele mesmo no violino enquanto dançava sua própria coreografia. Para Coppélia criou uma variedade de solos e danças para o corpo de baile, com enorme quantidade de diferentes estilos, incluindo danças nacionais, notavelmente a primeira czardas húngara para ser apresentada em um ballet.
Nuitter havia pensado em Léontine Beaugrand para o papel de Swanilda, mas Perrin não a considerava boa o bastante. Saint-Léon importou uma protegida sua, a alemã Adèle Grantzow, na época estrela do Bolshoi, para o papel principal.
Por Saint-Léon estar dividindo seu tempo entre França e Rússia, o período de produção do ballet foi demorado, sendo ensaiado por cerca de 3 anos. Somente no verão de 1869, Coppélia finalmente ganhou forma, mas a estréia foi adiada para 1870, pois Saint-Léon precisava voltar à Russia, talvez a demora tenha permitido que os pontos fracos fossem ajustados, mas também significou o não aparecimento de Mme. Grantzow no ballet. Devido a uma lesão, ela foi obrigada a voltar para casa antes da estréia de Coppélia. Lesão, a pior aflição para um bailarino – iriam perseguí-la para o resto de sua carreira. Mme. Grantzow faleceu após ter uma das pernas amputadas.
Uma busca nas escolas parisienses foi iniciada, e uma talentosa estudante italiana foi encontrada, Giuseppina Bozacchi, que tinha 15 anos quando começaram os ensaios, e 16 na estréia. Impressionou os críticos com sua personalidade e bom trabalho nas pontas. Mlle. Bozacchi dançou em 18 apresentações antes da guerra impedí-las. Infelizmente, durante o sítio de Paris, contraiu uma febre, vindo a morrer em seu aniversário de 17 anos, em 1870.
Quando recomeçaram as apresentações, o papel de Swanilda foi para Léontine Beaugrand, que triunfou no espetáculo e foi aclamada por Théophile Gauthier como as sucessora da bailarina Carlotta Grisi. Não poderia existir tributo maior – Gauthier, em sua total admiração por Grisi, tinha criado sua obra-prima Giselle como tributo à ela.
O papel de Franz foi interpretado por uma mulher vestida de homem, o que era bem o estilo da época – os ricos homens patrocinadores do ballet (particularmente membros do Jockey Club, que eram muito influentes) não tinham interesse em ver outros homens no palco. Eugénie Fiocre se especializou nesse tipo de papel, e foi a primeira a interpretar Franz. A tradição de Franz ser dançado por uma mulher durou na Ópera de Paris até os anos 50.
A obra-prima de Delibes para esse ballet é frequentemente citada como a principal razão para a popularidade que Coppélia sempre teve. Delibes misturou composições clássicas e folclóricas, estilos de dança e música(Coppélia é o primeiro ballet que contém czardas, uma complicada dança folclórica húngara). A tendência do nacionalismo das músicas, existente na época, provavelmente influenciou na decisão do compositor de incluir várias danças nacionais na partitura.
O trabalho de Coppélia foi musicalmente avançado: as melodias eram mais líricas do que as usadas nas composições dos primeiros ballets, e Delibes compôs o tema de maneira a identificar os personagens e a atmosfera, pratica esta que se iniciou com Adam (com quem Delibes estudou) em Giselle. Swanilda possui uma graciosa e brilhante valsa, Dr. Coppelius um seco contratempo, e um instrumento canônico é tocado para a música de sua boneca Coppélia. Franz possui dois temas, as primeiras quatro notas de cada um formam a mesma forma de melodia. Não existia nenhum solo masculino escrito para Franz, já que o papel era, inicialmente, interpretado por uma mulher. Pelo mesmo motivo não havia nenhum pas de deux notável na versão original da composição; o pas de deux que hoje em dia é considerado excepcional surgiu com a remontagem feita por Marius Petipá, na produção Russa de 1884.
Apesar do sucesso e durabilidade inicial de Coppélia, o terceiro ato apresentou um problema para os coreógrafos subseqüentes: a estória de amor fica quase completa no final do 2° ato, quando Franz e Swanilda reconhecem suas respectivas bobagens. Alguns sentiram a necessidade de um grand pas de deux, o que era uma tradição clássica, para mostrar a maturidade e controle das personagens principais (embora seja desconhecido de que forma era dançado quando ambos as personagens eram mulheres); então o grand pas de deux foi inserido no contexto de uma série de divertissiments. Mas o original divertissiment do Festival do Sino foi considerado longo demais, e estranho para o enredo. As danças foram inicialmente encurtadas e mais tarde completamente cortadas. Nas produções subseqüentes foram tentadas diversas soluções, chegando inclusive a omitir por completo o 3° ato.
Foi na Rússia que o primeiro grand pas de deux com um homem dançando Franz surgiu. Curiosamente, havia um pas de deux na produção de Boston em 1887, mas não era Franz quem dançava, era o tocador de sino do festival que dançava com Swanilda, personagem que não existe mais no ballet.
Os elementos fantásticos de Coppélia residem tão somente nas figuras mecânicas; as pessoas são muito humanas, e há um final feliz. A maior parte da trama é centralizada na figura de Dr. Coppélius. Durante décadas ele foi retratado de um feiticeiro do mal à um excêntrico, e até ridículo, homem velho. Tem sido visto tão somente, como um homem da ciência, que talvez tenha uma idéia distorcida da realidade. Paradoxalmente, enquanto seu personagem está pronto para tirar a vida de um jovem rapaz para dar vida à uma boneca, ele geralmente é visto como uma figura cômica.
Franz é muito menos complicado e deixa um pouco a desejar – como, infelizmente, ocorria com a maioria dos protagonistas masculinos do ballet clássco tradicional.
A popularidade de Coppélia rápido chegou até a Russia – e à Dinamarca, que tinha uma longa tradição dos homens dançarem. Apesar da produção dinamarquesa muito ter se aproximado do enredo original, focou muito menos as bailarinas; Swanilda era a única que dançava nas pontas. Esta versão, montada por Hans Beck, era muito popular com os bailarinos e com o público, mas foi criticada pelos cortes feitos na música.
Em 1871 Joseph Hansen apresentou Coppélia em Bruxelas, e em 1882 foi apresentado no Teatro Bolshoi, em Moscow. A maioria das versões de hoje em dia são baseadas na bem documentada versão Russa de 1884, de Marius Petipá; acredita-se que essa é a versão que mais se aproxima da original de Saint-Léon. Enrico Cecchetti e Lev Ivanov revisaram a produção 10 anos depois, e os elementos da versão provavelmente sobreviveram até os dias de hoje.


Comentários

Postagens mais visitadas